No meio da pandemia doe Covid-19, doença causada pelo coronavírus, o mercado de trabalho está sendo um dos setores que mais sofre impactos. A economia retraiu e diversos postos de trabalho acabaram fechados. Nem profissionais que tinham diploma de ensino superior, normalmente mais requisitados no mercado de trabalho, acabaram se safando dessa. A crise sanitária e econômica acabou influenciando todo mundo, não importa qual a qualificação que tinha. 

Entretanto, em algumas áreas houve abertura de novas vagas e as contratações acabaram superando as demissões. Assim, muitas empresas revisitaram suas políticas de contratações e o quadro de colaboradores e diante disso, surgiram oportunidades para profissionais frente novos postos de trabalho. Mas quais são eles?

Em parceria com o Quero Bolsa, listamos aqui as principais áreas que ainda estão positivas para a criação de postos de trabalho, assim você consegue ter um panorama de qual setor ainda está aquecido e gerando vagas de emprego. Vamos lá?

Como foi feita a seleção?

Para escolher as áreas com maior destaque nas contratações, foram utilizados os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, o Caged. Lá, foram analisados os microdados das movimentações (sejam de admissão ou de demissão), nos 5 primeiros meses do ano (dados divulgados até o momento), janeiro, fevereiro, março, abril e maio.

Vale destacar, que a OMS decretou a pandemia do coronavírus no dia 17 de março, ou seja, 3 desses meses são diretamente afetados por conta disso. Em janeiro e fevereiro, vimos um pouco os efeitos de uma preocupação com o que estava por vir (época em que a contaminação pelo coronavírus ainda não havia chegado ao Brasil), causando um possível desaceleramento das contratações. 

Vamos às áreas?

Saúde 

Na área da saúde, obviamente, houve uma demanda muito maior pelos profissionais. Eles são a linha de frente no combate da covid-19, dessa maneira, em meio a uma grande crise sanitária, profissionais dessa linha são mais requisitados. 

Dentre as 20 carreiras que mais geraram postos de trabalho nos 5 primeiros meses, temos 4 relacionadas a área da saúde:

Essas, no geral, são profissões com alta demanda na maioria dos anos. A diferença está nos postos de trabalho criados e nas contratações neste período do ano serem tão elevadas, algo que não é tão comum assim. 

Educação

As carreiras na área da Educação sempre foram altamente procuradas, mas tem uma diferença das outras. As profissões de licenciatura registradas no Caged normalmente são contadas por menos tempo, ou seja, enquanto os outros têm, normalmente, 40 horas semanais, os professores atuam em menor carga horária. Isso eleva muito o número de admissões, já que eles podem atuar em múltiplos empregos simultâneos. 

Dessa maneira, as primeiras colocações acabam tendo grande presença de profissões de licenciatura. Assim, nas 20 primeiras temos:

  • Professor de Nível Superior do Ensino Fundamental (Primeira a Quarta Série) com 7.237 postos de trabalho criados na 2ª posição;

  • Professor de Nível Médio no Ensino Fundamental com 4.535 postos de trabalho criados na 3ª posição;

  • Professor da  Educação de Jovens e Adultos do Ensino Fundamental (Primeira a Quarta Série) com 3.705 postos de trabalho criados na 4ª posição;

  • Professor de Nível Superior na Educação Infantil (Quatro a Seis Anos) com 2.764 postos de trabalho criados na 5ª posição;

  • Professor de Nível Médio na Educação Infantil com 2.725 postos de trabalho criados na 6ª posição;

  • Professor de Nível Superior na Educação Infantil (Zero a Três Anos) com 2.225 postos de trabalho criados na 8ª posição

  • Professor de Disciplinas Pedagógicas no Ensino Médio com 1.829 postos de trabalho criados na 9ª posição;

  • Professor de Ensino Superior na Área de Prática de Ensino com 1.538 postos de trabalho criados na 10ª posição;

  • Professor de Ensino Superior na Área de Didática com 1.336 postos de trabalho criados na 12ª posição; 

  • Professor de Língua Inglesa

  • Orientador Educacional

  • Professor de Língua Portuguesa do Ensino Fundamental com 721 postos de trabalho criados na 19ª posição;

  • Professor de Educação Artística do Ensino Fundamental com 718 postos de trabalho criados na 20ª posição.

Tecnologia

Por fim, super em alta nos últimos anos, as profissões de tecnologia tiveram uma baixa por conta da pandemia, mas, mesmo assim, continuam com o saldo positivo no período. A profissão de Analista e Desenvolvimento de Sistemas gerou 902 postos de trabalho no ano, estando, assim na 16ª posição.

Além dela, temos: 

  • Analista de Redes e de Comunicação de Dados com 166 postos de trabalho criados;

  • Engenheiros de Sistemas Operacionais em Computação com 125 postos de trabalho criados;

  • Engenheiro de Aplicativos em Computação com 93 postos de trabalho criados;

  • Administrador em Segurança da Informação com 80 postos de trabalho criados.

Desafios do mercado de trabalho: como conseguir entrar nessas áreas?

A principal forma de ingresso no ensino superior continua sendo o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Através dele, você pode usar sua nota no Sistema de Seleção Unificada (Sisu), Programa Universidade para todos (Prouni) e Financiamento Estudantil (Fies). 

Através dela, também é possível participar de financiamento privado, que tem disponíveis bolsas de estudo, sem comprovação de renda, de até 75% que valem para toda a graduação. É uma boa oportunidade de ter descontos no ensino superior.

A sua área está entre as que contrataram? Conta para a gente nos comentários!