Até que o diferente seja normal, as sociedades humanas enfrentarão obstáculos que retardam dramaticamente nosso progresso. Mas há um agente que pode contribuir, e muito, com a transformação. Estamos falando do RH trabalhando pela inclusão de raça e gênero no mercado de trabalho.

É importante lembrar que boa parte dos preconceitos está envolvida com as condições socioeconômicas das minorias. Assim, a qualidade do mercado, em sua diversidade, ajuda a sustentar nossas impressões sociais com bases em características superficiais.

Neste artigo, vamos discutir como o RH das empresas tem o poder de qualificar as impressões de um mercado. Você também vai descobrir o grande potencial lucrativo que essa qualificação pode trazer às empresas. Confira!

Diversidade no mercado de trabalho

Por que as minorias estão fragmentadas em grupos? Essa é uma pergunta importante que abre espaço para uma discussão muito séria. O simples fato de ser muito difícil não apontar diferenças é o principal fator de segregação. 

Isso porque há uma predisposição humana para classificar tudo, e isso é muitas vezes cruel. Assim, como tudo é identificável e, ironicamente, não há nada tão comum quanto incomum, nossa tendência é de fragmentação.

Portanto, enquanto esses fragmentos não forem absorvidos pelo todo coletivo, esse todo estará em conflito. Isso evidencia a importância de aprendermos a conviver com o diferente, até para podermos perceber o potencial que isso traz.

Desse modo, como o mercado é um grande espelho das culturas sociais, é fundamental que ele reflita um novo paradigma. E o RH das empresas tem verdadeiro poder transformador nessa jornada. A seguir, você confere como o RH participa da inclusão de raça e gênero no mercado de trabalho.

Como o RH enriquece uma organização com inclusão de raça e gênero

undefined

Se o mercado reflete a consciência de uma sociedade, então é lógico supor que o mercado deva participar dessas transformações. Sendo assim, é importante que os agentes do mercado (produtores e consumidores) tenham disposição para promover as transformações.

É aí que o RH de uma empresa pode ser crucial para essas mudanças. Afinal, é papel da gestão de pessoas, enquanto ciência, descobrir como orientar as relações corporativas. E não são poucos os benefícios que um empresa têm ao agregar no seu capital humano as minorias. Tudo fica mais claro quando se compreende que:

  • mulheres, LGBT+, negros, pessoas com necessidades especiais etc. também são consumidoras;

  • incentivar o poder de compra desses públicos estimula novos setores da economia;

  • uma dinâmica econômica diversa permite avanços inimagináveis;

  • a presença ativa desses públicos no mercado produtor qualifica a economia como um todo.

Capital intelectual e criativo

Para sermos mais específicos sobre os fatos, vamos raciocinar sobre os públicos consumidores e suas necessidades. Quem seria o profissional mais indicado para considerar as particularidades de uma minoria consumidora? 

Ora, um profissional que pertença a essa minoria! Portanto, a diversidade no quadro de funcionários não se trata de mera questão de inclusão, mas também de qualificação em um mercado competitivo.

Otimização do clima e cultura organizacional

Além disso, as diferenças, embora possam gerar conflitos, são de longe a melhor escola de comunicação que pode haver. Ainda não estamos diante de uma sociedade verdadeiramente dedicada em resolução de conflitos. 

Contudo, com o RH trabalhando em função da inclusão de raça e gênero, com certeza avançaremos para uma nova dinâmica. O paradigma da nova cultura econômica seguramente estará pautada na assimilação das particularidades e na comunicação esclarecida. E isso pode começar pelo clima organizacional das empresas.

Employer branding

Finalmente, em uma cultura diversa como já é a que existe, trabalhar em uma empresa que harmoniza as diferenças é destaque competitivo. Assim, ser referência em inclusão projeta a empresa e os gestores à frente do mercado. 

Mas não só isso: a empresa também pode catalisar os maiores talentos que, como sabemos, não são determinados por estereótipos.

Neste artigo, você pode ter uma noção mais esclarecida sobre como o RH pode fazer a diferença por meio da inclusão de raça e gênero. É fundamental que a liderança esteja em sintonia com esses mesmos preceitos. Afinal, a diversidade, além do apelo social que tem, deve ser objetivo empresarial, porque isso pode ser muito lucrativo.

Que tal começar a considerar essa qualificação do quadro profissional da sua empresa? Então, acesse nosso artigo para saber mais sobre recrutamento de pessoas com deficiência!